Your Nav Bar Here

11.12.12

There's something wrong.

Moço, eu não sei quem você é, mas eu gosto de conversar com você. Está sempre por aqui quando eu preciso apenas de um tempo para colocar pra fora tudo o que está acumulado aqui dentro do meu peito.

Você não tem pressa. Não me dá razão e muito menos me tira ela. Você não me pressiona e não se importa que eu esteja alegre demais, triste demais ou nervosa demais em menos de 5 minutos. Você não liga para o meu humor oscilante. Não tem interesse de saber porque eu mudei de ideia tão rápido. Você não me interrompe quando sabe que eu estou pensando em uma maneira de manter a calma. Você não me enche de perguntas, mas sabe que eu preciso fazê-las o tempo inteiro. 

Você não me provoca quando eu assisto aquele filme várias e várias vezes porque sabe o motivo. Você sabe o meu segredo e não me critica por mantê-lo. Também não dá bola para a minha falta de paciência e nem usa o meu jeito estourado e inconsequente de ser como motivos para um "Precisamos conversar".  Você não faz nada disso porque você não existe. E eu gosto tanto de você, porque gostar é suficiente no momento e é o que eu preciso. Gostar é bom porque não envolve promessa, não envolve pressão. Gosto de você moço, porque você sabe que eu não posso te amar. Não posso te amar agora. 

Eu não te amo. Amar é muito e eu não posso com tanto peso no momento. Eu não estou pronta e você sabe. Eu não estou pronta para muita coisa e eu não tenho previsão de quando eu vou estar, mas você não tem pressa, não é mesmo? Você não me pressiona e nem diz coisas que fariam eu me sentir uma cretina. Eu sei que quando eu precisar falar, você vai estar aqui para saber de todos os meus motivos...

Agora... Estaria eu gostando do nada? Estaria eu gostando de ninguém? Estaria eu gostando de mim mesma? Eu não sei, essa coisa toda perde o sentido quando eu tento explicar. Acho que é porque são sentimentos e tanta gente diz que sentimentos não se explicam.

Acho que preciso de um milagre, mas Deus é muito ocupado. Ele tem coisas mais importantes para serem feitas. Então continuo seguindo do meu jeitinho, cheia de perguntas sem respostas que eu não espero realmente que sejam respondidas. Você se lembra, eu prefiro não saber. 

Permaneço naquele jogo perigoso onde cada dia mais fica difícil me equilibrar nessa corda bamba da vida. Vou de um lado para o outro, quase caindo. Não tenho dois pés esquerdos para ser tão desequilibrada, mas acabei me sentindo assim de alguns tempos pra cá. 

Acho que me desequilibrei demais e não me lembro ao certo como se faz para não cair. Me encontrei pendurada nela. Daqui onde estou consigo ver que a queda é feia. Como aquelas que acontecem uma vez ou outra na vida de algumas crianças que descobrem que é divertido pular na cama e acabam beijando o chão. E eventualmente ganhando um braço quebrado... 

O sorriso? O sorriso permanece porque ele é um disfarce perfeito. Ele é a linha tênue entre o belo e o desastre. Eu o transformei no mais impetuoso que existe e com ele sei que vou me machucar, moço. E se eu não me machucar, sei que vou machucar alguém porque é o que eu faço. Você sabe, eu faço isso com certa frequência e as vezes nem tenho a intenção. 

Eu apenas sei que tem alguma coisa errada e eu sei que as minhas palavras já não fazem mais sentido. E juntos sabemos como isso é cruel para quem sente demais. 

23.11.12

Que tal um beijo, Saumensch?

"Odiei as palavras e as amei, e espero tê-las usado direito."

Me dei conta de que nunca falei sobre o blog. Me dei conta de que nunca, realmente, falei sobre sua criação e a escolha do seu nome. É estranho eu carregar esse amor e esse ciúmes imaturo. 

Como pode alguém sustentar um ciúmes tão bobo por causa de um livro? Um livro mundialmente conhecido e lido por muitas pessoas. Possivelmente, algumas estão lendo pela primeira vez, outras estão relendo e outras nem sabem da sua existência. Não me sinto estranha por sentir esse ciúmes, pois tenho certeza de que não sou a única.

"A menina que roubava livros" foi amor a primeira leitura. Jamais esquecerei do vazio que senti quando li suas ultimas linhas. Nunca esquecerei de quando eu finalmente encontrei o meu livro preferido. E não quero esquecer de quando me dei conta de que existe algo em suas páginas que descreve alguns dos meus sentimentos.

Houve momentos em que eu me encontrei entre Liesel Meminger e a Morte. Acabei me apaixonando pelo garoto dos cabelos cor de limão que vive pedindo beijos. Aprendi a arte de dizer Saumensch. Torci demais por um judeu que roubava o céu, escondido em um porão na Rua Himmel, 33. Muitas vezes eu quis aprender a tocar acordeão e enrolar cigarros. Respeitei a mulher dos punhos de ferro e senti por Liesel a maior de todas as watschenSenti com ela a emoção de cada livro roubado e cada significado aprendido no dicionário Duden. 

Descobri que o branco é sim uma cor e que eu não vou querer discutir isso com a Morte. Porque uma só hora pode consistir em milhares de cores diferentes e as pessoas só observam as cores do dia no começo e no fim. Descobri que uma garota pode aprender a ler e que em pouco tempo ela seguraria as palavras nas mãos feito nuvens e as torceria feito chuva. E viraria a Sacudidora de Palavras...

Li atentamente a história do homenzinho estranho que decidiu três detalhes importantes sobre sua vida: 
1. Ele repartiria o cabelo do lado contrário ao de todas as pessoas . 
2. Criaria para si um bigode pequeno e esquisito.
3. Um dia, ele dominaria o mundo.

E sem sombra de dúvidas, eu jamais esquecerei o fato de que irei morrer e que não devo me sentir preocupada por isso, pois a Morte se erguerá cordialmente sobre mim e me levará embora gentilmente.

Apenas sei que nessas páginas existe a história mais linda que já li em toda minha vida e que senti vontade ser cada personagem. Viver cada emoção. Aprendi a amar as palavras graças a Markus Zusak e com esse livro, descobri que eu era lotada de palavras e tinha uma sede enorme que precisava ser saciada.

Então o blog nasceu e me auto nomeei Saumensch. 

Hoje sou uma Sacudidora de Palavras.


1.11.12

Pra me encher de você.


Moço, resolvi manter alguns pensamentos danificados devido aos últimos acontecimentos. Estão um pouco arranhados, alguns estão faltando peças e outros precisam apenas serem polidos para melhorarem um pouco a aparência, mas eu garanto. Eles funcionam. 

O meu cérebro ainda cria momentos, ainda traz imagens de um passado não tão distante, mas o presente vem fazendo o seu caminho e com certa persistência, varrendo toda a sujeira para fora de casa. O que é bom, pois debaixo do tapete já não é um bom lugar para se esconder nada.

A ideia é se livrar de tudo e não deixar rastros. Assim mesmo, como um lixo acumulado ou como um assassinato meticulosamente planejado onde não podemos, de maneira alguma, deixar pistas que nos levem a julgamento.

Porém, o que os nossos olhos evitam, o coração sabe. É ele a vítima, é ele que quer justiça. Quer vingança de uma forma ou de outra, seja ela pela maneira mais simples ou pela mais difícil. Maneiras essas, que nunca sabemos ao certo quais são e nem se valem a pena. Mas para o coração, eu não falo de amor. Ele anda tão frágil que não quer saber do assunto. Ele nem sabe que o amor é como água transparente e cristalina onde todo mundo quer dar um mergulho ou dar um gole. Porém, se tomada em excesso pode fazer mal um bocado à saúde.

Diálogos quebrados são criados pelos pensamentos danificados. O que era para ser certo, nunca esteve tão destruído. Cheio de ferrugem por causa dos dias de tempestades onde repetimos constantemente as mesmas palavras. Dias longos, cansativos, largados, esquecidos e relembrados. 

Moço, quanta saudade cabe em uma vida? Quantas lembranças a gente pode carregar? Existe um número certo ou tudo isso é ilimitado? Seria bom ter uma ideia do que é que a gente carrega com tanto desespero. Desespero que machuca, viu? Parecem vidros que podem cortar quando erguemos para olhar melhor na luz do sol que nos cega. Acho que são os pensamentos, moço. Mesmo quebrados, ainda brilham. Cheios de cores bonitas feito o arco-íris depois de uma chuva de verão. Eles nos enganam, deve ser por isso que dói tanto mantê-los.

Recebo visitas da melancolia as vezes, moço. Sempre tão presente, nunca perde a oportunidade de me trazer algumas angústias. Me deixa sempre com alguns erros estampados em meu rosto, mas eu não reclamo não. Isso faz de mim tão humana, tão cheia de sentir... Sempre com a ideia de que muita gente se vai, mas a gente sempre fica. Sempre fica com algo.

Os pensamentos quebrados cheios de defeitos, lembra? Talvez eu nunca chegue a consertá-los, mas o apego é sempre tão teimoso, moço. Essa teimosia dele é um grande problema, pois fazer a limpeza e me livrar do que não me serve mais anda complicado somente por causa dele. Enquanto o apego me atrapalha, o desapego não quer nem me dar uma forcinha. E ele é tão forte, mas tão sossegado na sua vida marota...

Moço, se você chegar, não se assuste com a bagunça. Não sou uma acumuladora compulsiva, mas faço o possível para me livrar do que não me é mais saudável. Você tem a chave, mas não posso garantir que eu esteja em casa quando você chegar. Talvez eu esteja por aí, ocupada com alguma coisa que me faça esquecer, mas eu prometo que volto. 

Eu volto pra me encher de você. 


16.10.12

Cri, cri, cri...

YAAAAAAAAY! 

Alguém por aqui?

Cri, cri, cri, cri...

Não, você não está lendo um post antigo. É novo mesmo. Parece mentira, mas é verdade. Então, por favor, todos cantando Aleluia porque depois de meses eu tomei vergonha na cara para explicar o meu desaparecimento.

Quem sabe o motivo, desconsidere, mas para quem não sabe, lá vai...

Gente, ando num sofrimento do cão sem internet durante esses meses. Acho até que perdi o dom da escrita, mas eu sei que ele está aqui em algum lugar. Guardado em um cantinho empoeirado esperando que eu apareça para brincar com ele, estilo brinquedo de Toy Story.

O meu drama não é brincadeira não! Eu sei que sou meio exagerada das ideias, mas quem sabe da história, tem noção do quanto está cada vez maior a minha guerra com a Vivo Telefônica para instalar a porcaria do meu speedy lá em casa. Acreditam que esses safados dizem que não existe disponibilidade na minha região? Como isso? Eu não moro em outro planeta! Quero o extermínio de todos, porque eu apenas transferi o telefone de local e perdi o speedy. Anyway... A questão é que a briga anda grande, mas eu não quero chateá-los com o meu desespero. Só fiquem sabendo que eu ainda ganho esse batalha!

Eu estou mesmo com saudade do meu cantinho e com saudade de escrever para os meus poucos leitores. Alguns até andam me cobrando, mas vamos combinar, pra quem vive de 3G do celular é impossível fazer um post decente, né? Então, hoje eu dei o meu jeitinho e arranjei uma internet alheia pra quebrar o meu galho.

Ao que interessa, apenas tenho a dizer que durante esses meses muita coisa me aconteceu. Muitos planos mudaram, muitas coisas ruins e coisas boas também vieram para dar um up na vida. Uma delas é que eu passei no vestibular, novamente. Sim, meus queridos, eu já fiz um semestre de faculdade de fotografia, porém a faculdade em que eu estava não me agradava. Então esse ano, deixei um grande plano de lado para tentar novamente e então, passei para a universidade que tanto queria. E a melhor parte disso é que terei uma ótima companhia ano que vem nos estudos.

Estou super contente. Muito mais do que o normal. Acabei me viciando em uma série que se chama Castle e ela tem me trazido muitas alegrias e sorrisos depois que House acabou. Todo mundo sabe o quanto House significa na minha vida e o quanto sofri com o fim da série. Ainda sofro é claro, mas Castle vem me ajudando a superar.

Também ganhei uma nova paixão, agora a Olivia Wilde precisa dividir o meu coração com a Stana Katic. Eu não quero comparar as duas porque a Olivia é o amor da minha vida, mas o sorriso da Stana me deixa desestruturada. Não é fácil essa vida de fangirl.

A verdade é que eu me sentia muito curada depois do fim de House, eu estava equilibrada, mas aí a minha amiga Tamires me fez o grande favor de me apresentar Castle e o barraco desabou. Eu ando descontrolada torcendo pelo shipper Caskett, mas chega. Eu poderia passar horas falando o quanto ando apaixonada por eles....

Essa é só uma das noticias boas, mas eu também preciso falar das ruins. Isso me incomoda, porque nem todo mundo consegue esconder o desconforto por muito tempo. Há dez dias atrás o meu painho sofreu um infarto. Sim, assim mesmo. Corri com ele na teimosia para o hospital e passei horas tentando fazer ele ser atendido adequadamente. Foi uma loucura e eu realmente passei um nervoso enorme naquele lugar, porque dá licença né? Era o meu pai!

Então, depois de horas, o médico nos contou que ele estava sofrendo um infarto, mas que não era tão forte como o da maioria das pessoas. O que nos acalmou bastante saber que as condições dele não eram tão desesperadoras. Tudo correu bem e ele passou algum tempo internado. Todos pula porque painho já está em casa e pronto para outra. (Espero que essa outra nunca chegue!)

É em momentos assim que a gente percebe que ninguém é eterno. O meu maior medo é viver sem meus pais e eu detesto pensar que um dia isso acontecerá. O que me deixa muito neurótica, porque minha mãe já passou por isso três vezes, então vocês não fazem noção de como eu vivo na paranoia. Mas vamos deixar isso pra depois? A vida não precisa ser tão rápida agora, não é mesmo? Pois é.

O tempo é corrido e eu queria poder fazer um grande post para todos vocês. Pensar bem nas palavras e deixar a inspiração tomar conta, mas me incomoda a ideia de que eu não tenho tempo suficiente para sentar e escrever os meus escritos. Preciso saciar a minha sede de palavras, mas é preciso ter paciência.

As ideias estão se acumulando, os pensamentos estão em um loop infinito e eu estou louca para expulsá-los da minha mente e jogá-los aqui. Eu nunca tive muita paciência, mas acho que é agora que eu preciso começar a cultivar. Eu estou viva, para quem ainda tinha dúvidas. Eu não abandonei o blog e nem pretendo.

Ah, e quem aí for bom em macumba ou algo do tipo, eu aceitaria de bom grado uma que me ajudasse a obter a minha internet o mais rápido possível. Prometo trazer o amor verdadeiro em 3 dias, só que não.

Assim como eu não quero abandoná-los, também espero que vocês não me abandonem.

Até outra hora, bonitos.

24.6.12

A gente carrega tudo.

O dia em que meu pai me disse "tudo que eu faço é para você e seu irmão" eu já tinha 17 anos.  Acho que foi no mesmo dia em que ele também disse "a coisa mais valiosa que tenho na vida é a nossa família".

Família: Como você cresceu. O que anda fazendo? Como vão os namorados? Tem se alimentado bem? Está tão magrinha. Você só vive nesse computador. Precisa pegar um pouco de sol, sua pele implora. 

Avó: É só uma lembrancinha, filha, achei a sua cara. 

Avô: Cuidado com os pés de feijão que eu plantei! 

Avó: Vou acender uma vela para a Nossa Senhora da Aparecida para você passar na prova.

Avô: Você pegou no sono assistindo o Jornal Nacional comigo e perdeu os parabéns da sua mãe na festa surpresa lá na tia Bete. 

Mãe: Já arrumou a zona do seu quarto?

Irmão: Yasméeeeeeeeeeeeeeeeeeeen! 

Coordenadora da escola: Você não tem aula? Por que adora ficar aqui na direção batendo papo? 

Professora de matemática: Você nunca se importa com nada! Eu vou dar visto nessa matéria e se eu te pegar colando na prova amanhã eu vou te dar um zero na hora. Cansei dessa palhaçada, Yasmin! 

Professor de geografia: Espero que este livro seja de boa ajuda para o seu objetivo. E também que possa fazer com que você não se esqueça de mim, pois não me esquecerei de você. Boa sorte. 

Professor de história no primeiro dia de aula: Vai dar uma volta lá no pátio, beber uma água, pegar um ar enquanto eu termino essa aula. Você está atrapalhando, então pode ir. Não vou te dar falta.

Coordenadora: Quantas vezes nesse mês você já usou essa desculpa de cólica para não assistir a aula?

Tia da biblioteca: Você precisa me devolver aquele livro, vou ter que te multar. 

Terapeuta: Você é uma menina incrível e eu estou orgulhoso do trabalho que anda fazendo para você mesma e para as pessoas com esse projeto.

Lais: Vai tomar no cu. 

17.6.12

Problemática e sem amor.

Sabe quando você faz algo na inocência e acaba ouvindo desaforos? Ou melhor, lendo? Não? Tudo bem, eu explico.

Essa semana eu reativei o meu formspring. Fiz isso  porque andava recebendo algumas asks de alguns followers anônimos do tumblr. Todos muito fofos, logo digo. 


Se não estou enganada, um deles me perguntou porque eu não fazia um formspring. Eu já tive um, amados leitores. Na época em que era uma febre assim como o Song Piroca Pop é hoje. Não sei porque diabos desativei, mas posso imaginar que foi pelo mesmo motivo que anda me acontecendo novamente.

O problema do formspring é simples: Quando você ativa aquela porcaria, sempre vai ter um filho de uma rapariga para vir falar da sua vida e te criticar do que realmente te fazer uma pergunta.

A questão é que eu ativei essa porcaria já sabendo que ia vir chumbo grosso p'ro meu lado. Dito e feito. 


Um anônimo muito do sem vergonha veio questionar a minha postura na internet. Não sei se daí dá para vocês verem, mas saibam que a minha coluna de 19 anos está mais para uma coluna de 60. Porém, não é esse tipo de postura da qual eu estou me referindo. 

O que eu quero dizer é que recebi "perguntas" disfarçadas de críticas sobre a maneira como eu me comporto na internet, no caso, twitter. Quem me segue, sabe exatamente as porcarias de tweets que eu posto por lá, mas o que me deixa mais incomodada é que muita gente leva a sério as coisas que eu digo. Muita gente, no caso o Sr. Anônimo. 

O problema é que nem tudo que eu posto é realmente algo para ser levado ao pé da letra e por isso, o Sr. Anônimo se achou no direito de dizer que sou forçada por dizer tudo aquilo. Que eu preciso ser mais natural, pois pareço querer ganhar followers e ser um twitter famosinho. Posso até ser como posso também não ser. E o que as pessoas tem haver com isso? Nada. Quem realmente me conhece, sabe o quanto uso o humor como formula de escape. Muitas vezes já escrevi por aqui que pratico auto-bullying e vivo tirando sarro de tudo e todos. Da minha vida, dos meus dias, tanto faz... Prefiro ser assim do que ser aquela pessoa deprimida que vive  reclamando do quanto é miserável. Se for para reclamar, então que seja com humor. Bom ou ruim, isso depende do ponto de vista de cada um. 

A verdade é que a minha vida é boa pra caralho. Desculpem o palavreado, mas não há algo melhor para descrever a intensidade de algo do que o "pra caralho." Eu não tenho o que realmente reclamar dela, não tenho porque sofrer diariamente por amor. Eu tenho amor. Muito amor. De vários tipos e formas. E se eu demonstro isso de outra forma por causa das bobeiras que escrevo por aí, eu sinto muito, mas tem gente que leva algumas redes sociais muito a sério. 

Então, acabei perdendo o meu precioso tempinho explicando para o ofendido Sr. Anônimo que me chamou de problemática e sem amor, que eu não preciso agradar ninguém e que não obrigo as pessoas a gostarem do que eu posto. Eu realmente não controlo as pessoas que querem me seguir, eu não aponto uma arma na cabeça delas e digo: Me segue no twitter, playboy!

Tem gente que leva a internet muito a sério e não sabe separar uma coisa da outra. Se eu precisar ser séria, eu serei. Se eu precisar ser palhaça, arrogante, insuportável ou qualquer outra coisa de ruim que vocês acham que uma pessoa pode ser, sim eu serei. Independente do que eu fizer, alguém vai achar algo ruim e vai falar do mesmo jeito, porque o ser humano adora criticar. 

Mesmo se você tentar fazer algo legal, você soará como um idiota. As pessoas, por algum motivo, te acham idiota. Então, a melhor parte disso tudo é que eu não preciso me esforçar para elas gostarem de mim, porque quem gosta, gosta. Eu não vivo os meus dias para agradá-las e muito menos para fazer elas mudarem de ideia. Quem sou eu para mudar as ideias de toda humanidade? Ninguém. Isso mesmo.

Então, vamos lá. Se o que eu escrevo incomoda, por que perde o seu precioso tempinho lendo tudo e possivelmente me seguindo? Novamente eu digo, não estou com uma arma apontada para a cabeça de ninguém pedindo follow. 

Tento entender que tipo de naturalidade o Sr. Anônimo espera de mim nos meus tweets para agradá-lo e então parecer menos problemática e mais amada. Algo me diz que ele espera que eu seja mais otimista, quando de fato, todos sabem que sou humanamente incapaz disso. Também acho que ele espera que eu fale mais o que estou fazendo, se estou comendo, dormindo, cagando, peidando ou até mesmo transando.

Então, só uma coisinha para acabar com essa putaria toda: Você não sabe nada da minha vida além do que eu posto nessa bagaceira chamada internet. E eu só tenho a dizer que eu tenho pena de quem perde tempo tomando conta da vida dos outros. 

Sei lá, compra uma planta. Toma conta dela. Faça uma boa ação. Só não venha encher a porra do meu saco porque paciência não se compra e a minha está em falta.




1.Jeniffer Aniston as Rachel Green on Friends. ♥
2.Jennifer Morrison as Emma Swan on Once Upon a Time. ♥

26.5.12

Ler e não ter a vergonha de ser feliz.

 Sim, eu mudei a letra da música, mas só porque ler e viver são quase que a mesma coisa para alguém como eu. E olha que nem sempre fui o tipo de garota que ia até a biblioteca da escola, por livre espontânea vontade, para escolher um livro. Confesso que fazem apenas cinco anos que despertei esse amor por eles e que também, depois disso, a tia responsável pelos livros na biblioteca relatou alguns desaparecimentos. 

E quem nunca roubou um livro da biblioteca da escola não sabe o que é viver perigosamente! Eu juro que pretendia devolver, mas o carinho por eles foi maior então eu assumo esse crime. Me prendam! 

Hoje em dia, me considero uma pessoa que entra em uma livraria e passa horas checando as prateleiras atrás do livro perfeito. Acho que sou capaz até de entrar em livrarias apenas pelo prazer de abraçar livros, mesmo sem a intensão de comprar. Acreditem, eu sou capaz de pagar esse mico.

Então, deixando de lado essa minha mania estranha e cafona, quero compartilhar com vocês um textinho muito fofo de Rosemary Urquico que descobri. Ele se chama "Date a girl who reads."  Que na tradução seria: Namore uma garota que lê.


  

Namore uma garota que gasta seu dinheiro em livros, em vez de roupas. Ela também tem problemas com o espaço do armário, mas é só porque tem livros demais. Namore uma garota que tem uma lista de livros que quer ler e que possui seu cartão de biblioteca desde os doze anos.
Encontre uma garota que lê. Você sabe que ela lê porque ela sempre vai ter um livro não lido na bolsa. Ela é aquela que olha amorosamente para as prateleiras da livraria, a única que surta (ainda que em silêncio) quando encontra o livro que quer. Você está vendo uma garota estranha cheirar as páginas de um livro antigo em um sebo? Essa é a leitora. Nunca resiste a cheirar as páginas, especialmente quando ficaram amarelas.
Ela é a garota que lê enquanto espera em um Café na rua. Se você espiar sua xícara, verá que a espuma do leite ainda flutua por sobre a bebida, porque ela está absorta. Perdida em um mundo criado pelo autor. Sente-se. Se quiser ela pode vê-lo de relance, porque a maior parte das garotas que leem não gostam de ser interrompidas. Pergunte se ela está gostando do livro.
Compre para ela outra xícara de café.
Diga o que realmente pensa sobre o Murakami. Descubra se ela foi além do primeiro capítulo da Irmandade. Entenda que, se ela diz que compreendeu o Ulisses de James Joyce, é só para parecer inteligente. Pergunte se ela gosta ou gostaria de ser a Alice.



É fácil namorar uma garota que lê. Ofereça livros no aniversário dela, no Natal e em comemorações de namoro. Ofereça o dom das palavras na poesia, na música. Ofereça Neruda, Sexton Pound, cummings. Deixe que ela saiba que você entende que as palavras são amor. Entenda que ela sabe a diferença entre os livros e a realidade mas, juro por Deus, ela vai tentar fazer com que a vida se pareça um pouco como seu livro favorito. E se ela conseguir não será por sua causa.
É que ela tem que arriscar, de alguma forma.
Minta. Se ela compreender sintaxe, vai perceber a sua necessidade de mentir. Por trás das palavras existem outras coisas: motivação, valor, nuance, diálogo. E isto nunca será o fim do mundo.
Trate de desiludi-la. Porque uma garota que lê sabe que o fracasso leva sempre ao clímax. Essas  garotas sabem que todas as coisas chegam ao fim. E que sempre se pode escrever uma continuação. E que você pode começar outra vez e de novo, e continuar a ser o herói. E que na vida é preciso haver um vilão ou dois.
Por que ter medo de tudo o que você não é? As garotas que leem sabem que as pessoas, tal como as personagens, evoluem. Exceto as da série Crepúsculo.
Se você encontrar uma garota que leia, é melhor mantê-la por perto. Quando encontrá-la acordada às duas da manhã, chorando e apertando um livro contra o peito, prepare uma xícara de chá e abrace-a. Você pode perdê-la por um par de horas, mas ela sempre vai voltar para você. E falará como se as personagens do livro fossem reais – até  porque, durante algum tempo, são mesmo.
Você tem de se declarar a ela em um balão de ar quente. Ou durante um show de rock. Ou, casualmente, na próxima vez que ela estiver doente. Ou pelo Skype.
Você vai sorrir tanto que acabará por se perguntar por que é que o seu coração ainda não explodiu e espalhou sangue por todo o peito. Vocês escreverão a história das suas vidas, terão crianças com nomes estranhos e gostos mais estranhos ainda. Ela vai apresentar os seus filhos ao Gato do Chapéu [Cat in the Hat] e a Aslam, talvez no mesmo dia. Vão atravessar juntos os invernos de suas velhices, e ela recitará Keats, num sussurro, enquanto você sacode a neve das botas.
Namore uma garota que lê porque você merece. Merece uma garota que  pode te dar a vida mais colorida que você puder imaginar. Se você só puder oferecer-lhe  monotonia, horas requentadas e propostas meia-boca, então estará melhor sozinho. Mas se quiser o mundo, e outros mundos além, namore uma garota que lê.
Ou, melhor ainda, namore uma garota que escreve. 


Encontrei o textinho aqui. E a tradução e adaptação é de Gabriela Ventura


2.5.12

There is no answer.




O ser humano é uma raça idiota. Sim, sem rodeios, desse jeito mesmo. Não tenho motivos para descordar, até porque eu venho há um bom tempo tentando entender o que nós pessoas queremos, fazemos ou estamos dispostos a fazer. Se a gente fala A, queremos B. Se falamos B, queremos C, mas nunca iremos querer D. Entendeu? Nem eu, porque essa palhaçada não faz sentido. Acho que nasci para ser assim, aborrecida e surtada com assuntos que grudaram na minha mente e não me largam um minuto.

Já teve a sensação de que você nunca iria parar de pensar em uma coisa ou pessoa? Carrego algo parecido, mas eu juro que não é por mal. Eu tenho essa tendência de querer respostas quando tenho muitas perguntas que, provavelmente, não são para serem respondidas. Algo me deixa inquieta quando ninguém pode respondê-las ou fica fazendo cu doce para não dizer a verdade. Joga a verdade na minha cara porque eu já disse que aguento a porrada quando é preciso tê-la! 

Eu não quero saber sobre o mistério da vida. Afinal, é um mistério. Que graça teria se eu descobrisse? Não quero saber de nada disso porque estou atrás de respostas simples que me pertencem e fariam uma diferença enorme me deixando mais tranquila. Me deixariam dormir sossegada, feliz e com menos culpa. Mas o ser humano é idiota, lembra? Prefere sofrer do que deixar pra lá coisas passadas que não são para serem lembradas. 

Essas perguntas sem respostas me deixam triste. Não exatamente com quem não quer respondê-las, mas eu sou teimosa demais para não culpar alguém. Às vezes, estranhamente, não existem culpados. Apenas uma porção de emoções quebradas que se espalham para todos os lados. Existem coisas que não precisamos saber, mas acredite, existem aquelas que precisamos sim e devemos fazer questão de cobrar uma explicação.

Não tenho nada. Nem uma resposta. Nem mesmo coisas banais. Só perguntas soltas que repito todo santo dia como se elas pudessem serem respondidas por conta própria. E a pior parte nisso tudo, é que não parece haver nada errado em não obter respostas, mas eu não me encaixo nessa parte porque eu preciso delas. Eu preciso de tranquilidade para aguentar o perrengue sem ficar matutando o tempo todo. É como se minha mente me obrigasse a rebobinar todos os motivos do mundo para encontrar a verdade escondida em palavras vazias que me deram uma resposta falsa quando perguntei em voz alta.

Posso procurar em todos os livros do mundo ou no santo Google, mesmo assim eu não terei a minha tão sonhada resposta para o que eu realmente quero saber. A duvida é a minha inimiga no momento. Além das tantas perguntas sem respostas que ninguém parece saber me responder, ela me fez criar mais uma da qual só eu posso respondê-la: Esquecer ou persistir?

Com essa pergunta, começo a achar que é mais fácil eu encontrar uma resposta sobre o mistério da vida.


- Yasmin Back

1.5.12

Aos fantasmas. ♥

Eu devia ter mais vergonha na cara e atualizar esse blog com mais frequência, mas digamos que eu estou com em um estado de espirito nada agradável, meus queridos e amados leitores fantasmas. 


Sim, fantasmas. Eu sei que algumas pessoas ainda param para ler os meus escritos, mas como eu recebo poucos comentários e não faço ideia da maioria que aparece por aqui, me acho no direito de chamá-los assim. Carinhosamente, é claro.


Há poucos dias um seguidor do meu twitter me mandou uma ask em meu tumblr perguntando se eu tinha interesse em fazer um blog no estilo lookdodia-tutoriaisdemaquiagem-comprinhas-e-blá-bá-blá. (Um beijo para a fofura anônima que me elogiou com tanto carinho.) Achei a pergunta interessante e respondi que já havia pensado em algo do tipo, mas como todo mundo sabe, não é o meu estilo.


Eu sou uma largada, para falar a verdade. Eu não vejo eu me dedicando à um blog dessa maneira, por isso criei esse daqui como uma espécie de confessionário onde eu posso expressar as minhas ideias e opiniões. É o meu espaço. Esse é o meu gênero. Não é o tempo inteiro que possuo motivos para escrever e confesso que a maioria das vezes a preguiça toma conta do meu ser. Mesmo eu sendo apaixonada pelas palavras, elas adoram tirar férias da minha cabecinha um tanto quanto pesada com pensamentos desgastantes. 


Me lembro de ter dito que queria mudar um pouco a cara do blog e isso é verdade. Quero compartilhar mais coisas com vocês, coisas que eu realmente gosto de fazer. Não tenho absolutamente nada contra os blogs que abordam o assunto "moda", pelo contrário, eu admiro quem tem um e consegue com muito esforço e criatividade dar conta de algo tão grande.


E quando falo de mudanças, é complicado descrevê-las. Não é nada tão radical, até porque mudanças são, às vezes, um tanto quanto incertas. O que eu posso dizer é que sempre estarei postando coisas minhas, coisas que eu gosto ou coisas que eu não gosto. Uma vez que esse espaço é meu e ele precisa ser baseado no que eu sou. 


Um beijo na testa de vocês, fantasmas.

1.4.12

Everybody lies.

1º de Abril. Dia da mentira. Dia das petas. Dia dos tolos. Dia dos bobos. 


Dia de Gregory House. Nada mais justo do que ilustrar esse post com o meu lindo britânico Hugh Laurie. Eu não posso com esse sorrisinho lindo, sabe gente? Te amo, seu puto!


Deixando as minhas declarações de lado, acho bizarramente engraçada a maneira como esse dia é tão significativo na vida da gente. Não estou falando das piadinhas e nem das pegadinhas. Todo mundo já se cansou da maioria, apesar de fazer uso delas todo santo ano. Hoje, querendo ou não, esse dia tem a sua importância se formos parar para pensar só um cadinho. 


Segundo o nosso santo Google - que eu amo muito também - a tradição de 1º de abril surgiu no país dos nossos queridinhos Franceses no século XVI envolvendo calendários, crenças e todos esse blá blá blá de gente que adora infernizar a vida de quem crê em algo. Então, vamos deixar essa ladainha de lado e falar logo sobre isso de uma outra maneira. 


A questão é que eu admiro esse dia muitíssimo porque, de fato, todo mundo mente. E não digo isso só porque sou obcecada e assisto há anos a série do cara que mente da maneira mais fodástica do mundo, mas sim porque querendo ou não isso é real. Todo mundo mente. Sem exceções. Seja uma mentira grande, pequena, relevante ou irrelevante. A mentira está aí sendo usada de um jeito bom ou ruim, dependendo das circunstâncias.


Claro que tem muita gente que odeia a mentira. Culpa Deus e o universo por cada uma que teve que enfrentar ao longo da vida. Eu não sei se sou exceção ou uma espécie estranha de outro planeta habitando este aqui, mas eu não consigo odiar a mentira. Não me entendam mal. Não sou uma cretina sem pai e sem mãe que nunca me ensinaram que mentir é feio e papai do céu não gosta. Muito pelo contrário. Não posso me considerar uma mentirosa experiente porque todo mundo mantém segredos e precisa mentir sobre eles. Tem muita gente que usa a mentira como uma forma de se proteger. Eu já fiz e ainda faço isso muitas vezes. 


Todo mundo possui a ideia de que mentir é errado. É claro que é. Ninguém disse que mentir é certo ou algo que você deve se orgulhar. O que todo mundo espera é que você ao menos saiba mentir direito. Mentir muitas vezes é conveniente e preciso, como no caso de receber uma noticia ruim sobre a morte de alguém ou quando você precisa mentir para não ferir os sentimentos de uma pessoa que você gosta muito. 


Muita gente confunde omissão com mentira. Isso é algo completamente diferente. Tem coisas que as pessoas não precisam saber. A maneira como você usa, cria, diz ou faz a sua mentira é o que vai te definir como uma pessoa que mente para o bem ou alguém cretino que só sabe se aproveitar de algumas situações.


Gosto do dia da mentira e sabe por que? A gente passa 365 dias do ano mentindo sobre praticamente tudo e então, no dia da mentira, algo bizarro acontece. Algumas pessoas aproveitam essa data exatamente para fazer o contrário do que ela representa. A maioria diz a verdade em forma de mentira.


Muitas declarações de amor são feitas nesse dia porque se nada der certo, existirá a desculpa de que foi apegas uma piada. Uma brincadeira e que não foi nada sério, entendeu? É sempre mais fácil se esconder atrás de algo que possa te proteger de qualquer rejeição. 


Mentir é ter um certo poder em mãos. Se você sabe mentir perfeitamente, está aí o seu poder. Ninguém nunca desconfiará, a não ser pelo fato de que a mentira tem sim perna curta. Ela é tão autodestrutiva quanto a verdade. A unica diferença que temos entre as duas é que mentir apenas alivia a dor que pode ser sentida no momento. Já a verdade chega com uma porrada só. A verdade dói, mas por alguma razão inexplicável, a mentira descoberta se torna algo bem pior.


"Verdades começam com mentiras."


Eu nunca quis entender porque as pessoas gostam de mentir. Nunca quis entender porque as pessoas não gostam de mentir. É errado. É certo. É feio. É bonito. É estranho. É perigoso. É seguro. É aceitável. É também, inaceitável. As pessoas sempre esquecem. Pode parecer algo louco e pretensioso de dizer, mas ninguém tem uma memória de elefante. Todo mundo esquece quando a mágoa passa, mas a confiança dificilmente é estabelecida novamente. Muitas coisas sofrem consequências e se perdem.


Minta, mas carregue a sua verdade segura no seu bolso. Dê uma olhada para ver se ele não está furado. Mentir nunca será o problema, o problema é você acreditar na sua própria mentira. 




Yasmin Back

13.3.12

Pê. ♥


Descobri recentemente que tenho um péssimo hábito: Procrastinar.
Acho que faço dele o meu hábito favorito, já que eu funciono dessa forma. Eu sempre deixarei para depois o que eu posso fazer agora. Como por exemplo esse post. 

Há algum tempo atrás eu queria muito mudar o layout do blog e deixá-lo mais receptivo para quem viesse aqui dar uma olhadinha nos meus escritos. Pedi ajuda para uma das pessoas mais importantes da minha vida: Minha melhor amiga. Óbvio que a nossa afobação não deu muito certo, mas a verdade é que eu não me importo. Uma coisa levou à outra e então eu acabei prometendo que iria fazer um post exclusivo para ela.

Eu não sei direito como eu posso começar a falar sobre a Lais, sobre nós duas e a nossa amizade nada normal. De qualquer forma, vocês precisam estar cientes que, apesar de eu ter prometido esse post para ela eu não vou negar o quanto eu enrolei para fazê-lo. Fiquei à pensar sobre as palavras certas a serem ditas aqui, pois conheço a Lais já fazem praticamente cinco anos. Nós duas sustentamos uma amizade muito forte e a nossa história é longa, mas eu tentarei ser breve.

É normal as pessoas hoje em dia terem amigos virtuais. Fazer a amizade crescer até chegar ao ponto de você ter vontade de ter essas amizades por perto o tempo inteiro. É claro que a internet é um meio de tornar as coisas fáceis, mas você jamais vai poder atravessar a tela de um computador e abraçar o seu amigo ou sua amiga.

Eu passei muito tempo desejando que muitas pessoas estivessem do meu lado. A Pê (Lais) é uma delas, pois nossa amizade cresceu tanto que hoje somos melhores amigas. Passamos por situações semelhantes, enfrentamos muitas barras juntas e então nossa amizade além de ser virtual, um dia se tornou real. 

A Pê mora a pelo menos 2h de viagem da minha casa. Não é como se ela estivesse em outro estado como outras amigas que tenho perdidas por esse Brasil. Não tive a mesma sorte de vê-las pessoalmente ainda. Entre nós duas, não é uma distância tão grande, mas aprendemos a lidar com esse tipo de coisa numa boa.

Fui passar alguns dias na casa da Pê semana passada. Diferenças sempre vamos ter, manias nunca vamos perder. Não sei explicar o quanto uma amizade desse tipo é valorizada por mim, mas posso afirmar com certeza que a tenho guardada no peito. E porque ter segredos, risadas, sonhos, brigas, ciúmes, brincadeiras, apelidos, fases... É normal e é completamente real. Tudo isso é importante e nunca deixou de ser porque eu serei sempre feliz por ter pessoas queridas comigo, pois sem elas a vida seria uma porcaria. 

E vamos combinar, de fácil a vida não tem nada, mas quando se tem a companhia de pessoas que você ama, tudo será no mínimo mais suportável. É importante ter pessoas que entendem o seu ponto de vista e que está sempre em sintonia com o que você pensa. Estar feliz por você e te aceitar da sua maneira. Tudo isso é bom.

Então eu não vou ficar falando sobre os valores da amizade verdadeira, nem do quanto ela é essencial porque ninguém aqui sofre de retardo duplo. Todo mundo sabe da importância disso e então, se você tem algum amigo que pode confiar e amar sem medo, também sabe que palavra nenhum descreverá a importância do sentimento que vocês compartilham.

Amizade é mesmo o que dizem: Todas as formas belas de amor. E o amor, nunca muda.

Eu te amo, Pê. Hoje e sempre.








27.2.12

Nineteen years later. ♥

Há um ano atrás eu fiz um post sobre os meus 18 anos  e nele eu expliquei o que fazer aniversário significava pra mim, mas não esperava que em apenas um ano algumas coisas mudassem. 


Eu aprendi a gostar um pouco dessa data, mas não pensem que eu sou do tipo que muda de opinião rápido. Muito pelo contrário, eu martelo até o fim. O fato é que estou fazendo 19 anos hoje, não é muito e nem é pouco, mas é o suficiente e é próximo do "quase adulto." 


Para algumas pessoas, fazer 19 anos não é nada demais e é até um pouco irritante alguém tão jovem reclamar dessa idade porque segundo os mais velhos, eu tenho muito o que viver ainda. Não tiro a razão deles, ainda preciso viver muita coisa, porém, não estou reclamando. E de qualquer forma, eu amadureci algumas ideias. Mantenho alguma intactas como aquela sobre comemoração e atenção exagerada. Não gosto, me aborrece tanta atenção, mas cada ano que passa eu aprendo um pouco mais sobre mim mesma e sobre a vida.


Sou jovem, cometo erros e estou disposta a organizar cada ideia que eu tenho. Fazer 19 anos é algo natural agora. Não me sinto tão assustada como o ano passado, talvez porque eu tenha me acalmado e me acostumado com a ideia de que nascemos para progredir e não regredir. Aprendi a ser um pouco mais otimista sobre mim mesma, aceitar que responsabilidades chegam o tempo todo e estou disposta à tomar conta de tudo. Quero manter isso. Posso ser tudo o que eu era há um ano atrás ou não. Posso mudar um pouco mais durante um ano. Ser sempre a péssima aniversariante que não sabe lidar com os parabéns, a atenção, a data e tudo o que ela representa. A única diferença disso tudo é que eu ainda sei quem eu sou, e mesmo com os anos passando, certas coisas não mudam. 


E para tornar a ideia de aniversário menos pesada, não tem como não rir da minha própria má sorte. Fazer aniversário em plena segunda-feira cretina é algo inesquecível, fazer aniversário em um mês em que a zona rola solta no carnaval é inegável. Pelo menos pra mim. Hoje, preciso dar risada de certas coisas que andam acontecendo comigo, preciso pegar leve. Ir com calma porque nem tudo é motivo para aborrecimento. É deixar o senso de humor solto, sem medo. Não quero que vocês tomem a ideia de que estou colocando drama demais nesse assunto, até porque eu tenho uma fama enorme por ser um pouquinho ou até muito dramática.


Não, bonitos, não tem nada haver com isso. Aniversário nunca foi uma coisa ruim, nunca. Quando a gente cresce, certas coisas perdem um pouco a graça e fazer aniversário é uma delas. As coisas ficam monótonas e sempre fáceis de adivinhar. É sempre a mesma piada, entende?


Mas esse ano é diferente. Esse ano vai ser diferente porque eu quero que seja, então, vou contar a verdade para todos vocês. Estou feliz e confiante por estar crescendo. ♥



25.2.12

Say X.

Primeiramente eu preciso agradecer a Dani, minha loirinha mais linda, por ter feito esse banner super cute pra mim. Eu simplesmente amei a simplicidade dele e espero que vocês também tenham gostado. Obrigada novamente, princesa. ♥


Enfim... Há alguns dias eu fiz um passeio super divertido com o Vinicius Lorato


Conheço o Vini desde os tempos de colégio, fazíamos um projeto juntos e então acabamos ficando amigos por essa aproximação que o projeto nos permitia com várias escolas da nossa cidade. Descobrimos que temos um gosto em comum: Somos dois amantes da fotografia e estamos sempre dispostos a explorar cada vez mais esse mundo.


Com esse objetivo, o passeio que fizemos foi exatamente por isso. Fomos ao parque natural fotografar um pouco. Foi divertido porque pude namorar um pouquinho a Pentax K1000 que ele havia comprado há pouco tempo e que também, é uma das máquinas que sempre cobicei. 


Gastamos um filme todo fotografando tudo que achávamos que poderia dar uma bela foto e então a ansiedade de saber como elas ficariam tomou conta de nós dois. A parte mais divertida em fotografar com máquinas antigas é o fato de que não tem como você ver o resultado da foto na hora, como muitas máquinas modernas nos mostram. A ansiedade e a empolgação é a parte mais legal disso tudo. Fora que as imagens possuem um tom antigo, vintage... Exatamente o tom que sempre procurei para algumas fotos, porém é um pouco difícil adquirir em uma edição no photoshop. (Se alguém souber alguma técnica, ficarei feliz em saber.)


Eu levei o filme para revelar, porém só ficaria pronto depois do carnaval. O que me chateou um pouco, mas não podia fazer nada a não ser esperar.  E então, resolvi mostrar para vocês o resultado. Separei algumas para vocês darem uma olhadinha: 


18.2.12

Meme 11 questions.

Olá, meus bonitos. Recebi uma indicação muito fofa da Nanda que é um meme chamado "11 questions". Achei super interessante e resolvi fazer. Porém, ele tem algumas regrinhas e eu irei explicar para todos vocês.


"Cada pessoa tem que postar 11 coisas sobre si mesma em seu blog, responder as perguntas de quem te indicou e criar 11 novas perguntas para quem você for indicar responder, escolher 11 pessoas para indicar e colocar o link delas no seu post, comentar no blog das pessoas que você escolheu e dizer que as indicou e não indicar a tag para quem já te indicou." - Então vamos logo começar...



12.2.12

Não me deixa cair não.


Vem, pode vir. Eu não quero. Por que? Tenho medo. Não precisa ter medo, estou com você. E se eu cair? Eu vou te segurar quando estiver lá. E se não conseguir? Bem, eu posso tentar. Você não sabe se vai conseguir! É por isso que eu quero tentar. Tudo bem. Então estica a perna, abre os braços e pula. Isso não tem como funcionar. Você nem ao menos tentou! Eu tenho medo de altura. Eu também, mas temos que arriscar. Isso é insano! Eu vou primeiro. Não me deixa sozinha! Não vou deixar. Promete? Prometo. Viu, não foi tão difícil, agora é a sua vez. Ainda assim posso me machucar. Você é sempre tão desconfiada assim? Não é desconfiança. É o que então? É cuidado. É loucura. Não me chame de louca! Você fica linda brava. Eu não vejo graça.  Se acalma e vamos tentar de novo, vamos lá, como eu te ensinei. Eu não sei. Feche os olhos e pule, estarei aqui para te ajudar, se solta aos poucos. É fácil dizer, você já está aí. Mas agora é diferente. Por que? Porque é você quem está aí em cima. Eu não sei porque fui concordar com isso. Porque você me ama. Eu não te amo! Não diga isso, você sabe o que dizem sobre negação. Eu não te amo. Você sabe. Sei o que? Que um dia vamos casar! Eca, você é meu melhor amigo! Exatamente. Exatamente o que? Nós vamos ficar juntos pra sempre. Não seja idiota, eu nunca ficaria com você. Eu sou feio? Não é isso. Então o que é? Não posso ficar com você. Por que? Porque funcionamos muito bem juntos. Quem te disse essa coisa idiota? Isso importa? Você está fugindo. Não, eu só quero descer da droga desse lugar. Então pule. Não posso! Você é a pessoa mais corajosa que eu conheço. Não pareço corajosa agora. Qual o problema de pular? O problema não é pular. Então qual é? O problema é onde irei cair. Cairá nos meus braços, eu vou te segurar. Eu não posso cair nos seus braços. Por que não? Porque não posso cair diretamente na paixão. Pode sim. Não sei se devo. Eu posso te acomodar no meu peito. Vai ser difícil. Nada é fácil. E como será depois? Não se preocupe, a gente pode lidar com isso. Mas uma hora vai incomodar, cansar, desesperar.Você está quase conseguindo. Me segura. Seguro. Pra sempre? Sempre. 


Yasmin Back.

9.2.12

Um passo na direção certa.

Janeiro se foi, fevereiro chegou e o meu inferno astral veio subindo a ladeira cada vez mais! Já ouvi falar muito sobre esse tipo de coisa, mas descobri recentemente que inferno astral acontece pelo menos um mês antes do seu aniversário. Então, vocês podem imaginar a minha situação já que o meu aniversário está chegando e tudo de ruim está liberado para acontecer antes do dia em que eu vim para esse mundão. 

Eu comecei o ano com o maior otimismo que alguém como eu pode chegar a ter e olha... Não é fácil. Não é fácil porque a criatura aqui nunca foi de praticar otimismo exagerado. Pode ser uma ignorância sem tamanho, mas quando decido me tornar uma pessoa melhor, filtrar os meus sentimentos e pensamentos para deixá-los menos pesados, algo ruim acontece. É sempre algo que chega para foder de vez a minha estrutura. 

Eu nunca fui muito equilibrada. Sou toda errada, minha vida é um caos e eu adoro dramatizar tudo. Para vocês entenderem melhor, o fato é que eu perdi boa parte dos meus supostos amigos, afastei alguns filhos da puta da minha vida, o meu relacionamento acabou e a minha tia está internada na UTI depois da descoberta de um tumor no cérebro. E sabe o que eu fiz? Fugi para Cabo Frio para deixar esses problemas de lado e dar inicio a uma fase nova. Sentar na beira do mar, ler um bom livro, respirar o ar, sentir o sol, ver pessoas novas e sentir a energia boa tomando conta. 

Cabo Frio foi um ótimo recomeço. A viagem caiu perfeitamente bem e me deu novas motivações. Não digo isso da boca pra fora porque tudo funciona assim: Perdemos pessoas ao longo da vida. Sempre iremos ter o coração partido por alguém, sofremos com a dor alheia e então damos um jeito de aprender a lidar com a nossa. 

Simples, mas não fácil.

Eu não irei mentir para vocês. Eu sinto cada dia mais pelos últimos acontecimentos, mas o que todo mundo espera é que eu fique de mimimi reclamando da vida e tentando achar um culpado. Sabe, nem tudo tem um culpado. As coisas tomam o seu rumo e eu não posso simplesmente parar a minha vida por causa de um coração partido ou algumas pessoas que não me faziam muito bem. Eu não vou me isolar e me esconder. Não vou ficar sentada procurando uma resposta para tudo.

Acabou? Acabou. A-ca-bou! Espera porque ainda vou fazer muita piada sobre isso um dia. Eu sou assim, pratico auto-bullying. Faço piada sobre mim mesma e adoro dar risada sobre os acontecimentos ruins que me acontecem. Tudo será uma eterna piada e o que me resta é rir disso tudo para não tornar as coisas um pouco piores.

O legal é dar início à coisas novas, procurar se reconstruir e deixar as lamúrias para depois por mais que isso seja um clichê barato. A minha viagem foi ótima, tive bons momentos e de noite eu tentava dormir rapidamente para viver mais um dia. A cidade era linda, cheia de pessoas bonitas e a verdade é que eu não queria voltar para casa nunca mais. Eu estava até pensando em viver por lá mesmo, encontrar um novo amor, me decepcionar de novo e então mudar para outro lugar. O problema é que o Rio de Janeiro é viciante, lá tudo é mais belo e tudo é mais feliz. Eu viveria numa boa naquela cidade. ♥

Entendeu como funciona? Se for preciso mudar, todo mundo irá querer. Todo mundo sempre estará disposto a melhorar. E eu que sou toda errada, estou dando um passo na direção certa e só preciso dar mais um milhão deles. São um milhão? Mas logo serão tão poucos que eu nem irei mais me preocupar com a quantidade.

É que todo mundo adora causar pânico. Todo mundo adora uma lamentação para ser chamado de coitadinho. Coitadinho é o caralho! Eu não quero pena, eu quero é sair da merda e viver minha vida. Não quero desanimar, não quero deixar de amar e não quero deixar de conhecer pessoas. Tristeza todo mundo tem, aceitar ela é outro papo. Mantém o sorriso que tudo vai se ajeitando.

É ser diferente, mesmo que lá no fundo todo mundo seja igual.


Mais Aqui.

16.1.12

Be you. Find you. Be happy with that.

Como tem passado, moço? Faz tanto tempo que não nos falamos.


Pois é... Mudanças aconteceram e não vou mentir para você, porque não adiantaria. Você sabe, nem tudo é como a gente espera, até porque as mudanças não são das melhores, mas não é o fim do mundo. Não pode ser. Eu só não sei como dizer, moço, mas parece que quanto mais a gente espera por algo, mais distante esse algo fica.


Nunca entendi direito essa coisa de esperar as coisas acontecerem, até porque não podemos viver a vida dessa forma. Não dá para simplesmente sentar, cruzar os braços e esperar. Veja bem, quando eu era criança, esperava ganhar uma Barbie no meu aniversário e ao invés disso, eu ganhei roupas. Se tem uma coisa que aborrece toda criança em seu aniversário, é ganhar roupas como presente. As mães adoram, mas espera aí! Eu estava esperando ansiosamente pela minha Barbie Californiana que vinha com vários adereços! 


Eu queria mostrar para todo mundo a minha boneca linda, mas infelizmente eu não a ganhei. Eu nunca disse isso para ninguém, porque eu seria muito idiota em contar para as minhas amiguinhas que eu iria ganhar a boneca em meu aniversário, quando na verdade, eu não ganhei. Com que cara eu diria que não ganhei nada?  Andei pensando sobre isso esses dias e cheguei a conclusão de que isso parece ser um consenso universal sobre o fato de que ganhamos aquilo que merecemos, ou nem isso, para falar a verdade.


Hoje em dia eu espero muita coisa, moço. Espero sim porque eu não sou estúpida, eu preciso fazer planos, preciso esperar acontecer para conseguir entender se isso é bom ou ruim em qualquer possível decisão que eu precise tomar. Eu sou assim, não dá para mudar algo que eu carrego desde sempre. Não posso simplesmente ser impulsiva e entrar de cabeça em uma coisa que eu não faço ideia se será boa ou terrivelmente ruim para  minha vida, entende? A questão não é arriscar, a questão é ser racional.


Vai dar certo? Tudo bem, vamos nessa. Não vai? Paciência, vamos seguir com o plano B.
A maioria das pessoas não age desse jeito e deve ser por isso que eu seja tão presa de certa forma. Eu admito. Sempre considerei demais as minhas possibilidades, moço. É uma espécie de auto-controle, pois não me sinto confortável em dar um passo maior do que a perna. Eu posso cair e me machucar feio e eu não quero carregar mais uma cicatriz. Eu não teria orgulho de contar a sua história, muito menos a falha tentativa que se esconde por trás dela.


Não me julgue mal, moço. Ninguém gosta de falhar e eu sei que isso é um problema para alguém como eu, porque precisamos arriscar em um determinado momento de nossas vidas, mas entenda... Eu somo minhas oportunidades e prefiro arriscar na hora certa. 


Será que isso é tão errado assim? Parece que sim, pela maneira como as pessoas costumam agir quando tento falar sobre a ideia. Tenho uma admiração enorme por quem vai lá com a cara e a coragem de se jogar e arriscar tudo.  Eu não quero julgar a coragem alheia e muito menos dizer quem é estúpido ou não, porque eu mesma posso ser estúpida com o meu jeito. Eu não sei se eu queria ser alguém assim, moço, porque eu gosto de ser como eu sou. A gente precisa se gostar não é mesmo? E é aí que está a diferença entre mim e o resto do mundo.


Eu me gosto. Mesmo com as minhas paranoias, minhas manias de pensar demais, minhas indecisões, meu jeito explosivo e incontrolável de ser. Gosto até da minha TPM. Da minha intolerância. Acho que tudo isso é o que me torna única de alguma forma e eu preciso ter orgulho disso. Não só preciso, como devo.


Então, por enquanto eu vou ficando aqui com as minhas lamurias e somando as minhas oportunidades. Eu chego lá, moço. Chego sim.
Não será nenhum problema chegar um pouquinho atrasada. Pressa é uma coisa que eu nunca tive quando se trata de fazer a decisão certa.


Yasmin Back



10.1.12

A primeira revolta do ano.

Faz tanto tempo que não bato boca com alguém e digo algumas verdades...


Faz tempo que eu não me sentia assim, tão puta da vida com gente que um dia fez grande parte da minha vida. O problema não é que eu esteja só com mágoas antigas. Eu também estou e o pior é que chegaram as novas mágoas também para fazer aquela mistura de emoções nada agradáveis.


Sabe o que é? É que tem muita gente filha da puta nesse mundo. E tem coisa pior do que descobrir filhadaputagem de gente que significou algo para você? Não, não tem, colega. Então, vamos logo ao assunto. Não preciso mais de "amizades" que não me acrescentam em nada a não ser o fato de alimentarem o meu estresse. Não preciso mais desse tipo de coisa que faz eu vir até aqui e fazer o meu primeiro post do ano sobre as merdas que algumas pessoas são capazes de fazer.


Eu me debati. Sério, gente. Não queria fazer o primeiro post com tanta revolta, mas digamos que é para isso que o blog serve. É para desabafar e se o meu ano começou com essas filhadaputagens, por que eu tenho que esconder? Que nada, vamos escancarar os fatos! Eu meio que sou uma pessoa de espécie rancorosa. Não vou mentir, eu guardo um tiquinho de rancor comigo, apesar de fazer um esforço danado para esquecer as coisas. Porém, não é como se tudo fosse sumir em um passe de mágica. Seria ótimo, mas não dá. Eu dou a volta por cima e dou a tão esperada e merecida segunda chance. Aguento, vou levando e então tudo parece estar de bem de novo.


Por um tempo. Um tempo que te faz crer que tudo pode mudar e ser diferente. Um tempo que te faz crer que as pessoas sabem o que fazem e que todo mundo erra, mas não persiste no erro. MENTIRA! Todo mundo persiste no erro e é aí que você se dá conta que errou junto ao pensar que tudo poderia ser diferente. 


Eu sou uma pessoa de poucos amigos. Posso contar nos dedos ultimamente aqueles que poderiam dar uma volta no mundo junto comigo e sabe o que é mais engraçado nessa metáfora? É que todos são de outras cidades. E eu digo isso com todo orgulho do mundo. Eles fizeram mais parte da minha vida do que quem esteve perto de mim e que hoje, simplesmente, sumiu. 


Eu erro, eu sou humana e não nego. É essa a condição de todo ser humano. Errar para então chegar a um acerto que eu procuro todos os dias da minha vida, mas acima de tudo, vou assumindo todos os meus defeitos. Não sou a pessoa mais amável do mundo. Nem a mais fácil de lidar. Sou ranzinza, um porre de gente de personalidade chata, mas não é como se eu fosse uma leprosa social. Hoje em dia eu não tenho muitos amigos dos quais eu posso contar. Alguns se afastaram e eu também me afastei, mas ao contrário disso tudo, algumas pessoas não parecem aceitar quando você resolve fazer algumas pequenas mudanças na sua vida.


É bom ter um amigo quando você se sente na merda, mas cadê esse amigo quando você está feliz e realizada? Tem algo errado nisso porque parece que tudo virou de cabeça para baixo. Por que tem que ser ao contrário? Virou uma condição universal se comportar como um idiota? Todo mundo se engana. A gente pensa que a pessoa é uma coisa, mas então a gente bate a cara no muro e descobre como as pessoas realmente são. 


A gente deve se importar com quem caminha do nosso lado, e não com quem está na nossa frente ou atrás de nós. As pessoas são uma droga. São sim. É preciso ter paciência e se não tiver, mande para o inferno e continue caminhando porque é normal. É revoltante. É absurdamente inaceitável, mas não é o fim.  Não é preciso ter que fingir indiferença e muito menos achar que é preciso usá-la. Fique puta como eu! Fique mesmo, porque é um direito de todo mundo. Porque não é assim bagunçado, não! A pessoa chega com tudo, fode com o nosso emocional, e depois fica por isso? Ah, que grande merda! Gostar de alguém é pedir para sofrer duplamente. Tanto por você, quanto pela pessoa. 


Você faz de tudo, você se doa. Compartilha. Adota como se fosse da família e um dia, um belo dia, tudo evapora. Cadê todo o carinho, a dedicação? CADÊ A AMIZADE?
É muito desgastante ficar atrás das pessoas e nem todas são capazes de agradecer pelo que você é ou foi capaz de fazer por elas. Então aqui vai um recadinho:


Vai tomar no cu! Todo mundo erra! Ninguém é politicamente correto então tenha a decência de agir como ser humano e se olhe no espelho. Cresça! Questione-se porque eu posso ter sido uma vadia cretina que tenha te magoado, mas saiba que você não se salva de ser algo parecido também. Eu prefiro ser um porre de gente sem amigos do que ter você sugando a minha vida e o meu tão raro bom humor!


As pessoas fazem merdas daquelas quase impossíveis de esquecer e aí começam a te culpar pela própria incapacidade delas de enxergar o óbvio. Sério, eu não preciso dessas amizades. Eu preciso é de chocolate, muito chocolate. É, vale a pena lutar pelo chocolate.


- Yasmin Back